Ramganga Mitras, que significa ‘amigos do Ramganga’, um dos principais afluentes do Ganges, é um grupo crescente com mais de 4.000 ambientalistas. O objetivo comum deles é proteger seu rio, o Ramganga.

Os Mitras são compostos por vários membros de comunidades, instituições e autoridades, um exemplo do significado do Ganges na sociedade indiana. Os membros incluem médicos, acadêmicos, cidadãos, estudantes, membros de ONGs, membros do governo local e também corporações.

Suas atividades incluem:

   - Educar colegas e membros da comunidade, sobre as ameaças ao rio, fornecendo soluções individuais e coletivas das quais eles possam participar, como práticas agrícolas sustentáveis.
   - Implementar iniciativas de conservação contínua como parte do programa Rios para a Vida, Vida para os Rios (Rivers for Life, Life for Rivers).
   - Monitorar a qualidade da água do rio com avaliações sazonais.
   - Empenhar-se com o governo e defender políticas que melhorem a qualidade do rio.

Tara Devi faz parte dos Ramganga Mitras. A partir de uma entrevista nos campos de Adalpura em Uttar Pradesh, Índia Oriental, Tara contou para a WWF seus motivos para integrar o movimento e como ela está inspirando mudanças em sua área agrícola local.

A conversa com Tara Devi começou quando ela nos levou para um tour nas várias plantações dos campos de Adalpur. Aqui, Tara se ajoelha em uma plantação de hortelã. O mentol usado em bálsamos relaxantes para aliviar a dor é extraído dessas hortelãs. © WWF-Índia 

Por que você acha que as pessoas precisam preservar o rio Ramganga?
Os rios sustentam a vida de ecossistemas inteiros. Contudo, a gratidão e o respeito a eles são mostrados de maneiras tóxicas. Todos nós podemos fazer escolhas responsáveis diariamente para proteger a saúde do rio e só nós podemos reverter seu estado atual, então nossos hábitos precisam de mudança.

O que motivou você a se tornar um Ramganga Mitra?
Foi a comprovação da realidade. Todos nós somos responsáveis pela saúde do rio e só nós podemos reverter o processo. Os Mitras ajudam todas as pessoas a alcançarem isso.

O que fez você mudar seus métodos agrícolas?
Vimos pepinos atingirem tamanhos anormais - tamanho de um braço - com apenas uma dose de fertilizante e vimos pessoas sofrerem com doenças mortais devido à água poluída do rio. A WWF estava oferecendo um impacto positivo em nossa saúde e na saúde do rio usando fertilizantes orgânicos que poderiam ser facilmente produzidos.

Como a WWF ajudou?
Depois de fazer as mudanças, ficamos surpresos com o abundante abastecimento da safra e como essas colheitas conseguiram aguentar as devastadoras chuvas. Depois as usamos durante a estação de trigo seguinte para testá-las em uma segunda colheita e novamente os mesmos resultados! Isso me motivou a assumir a liderança para garantir que todos nós, Ramganga Mitras, consideremos as novas alternativas para ajudar a conservar o rio Ramganga.

Quais foram os desafios?
Quando a WWF chegou pela primeira vez em nossa vila, estávamos céticos quanto à nova prática de uso do fertilizante orgânico, que supostamente aumentaria a produtividade da safra, reduziria os custos e protegeria nossa água da contaminação. A base de sustento inteira das pessoas estava em jogo, e isso representava um grande risco. Vínhamos mantendo métodos convencionais de cultivo por muitos anos e qualquer pequeno aumento no tempo e no esforço consumidos na adaptação estaria propensa à resistência.

E o que dizer sobre o futuro?
Encontro muitas pessoas todos os dias para ensiná-las sobre os esquemas de saúde e ficaria mais do que feliz em ensiná-las sobre como suas escolhas diárias podem afetar o rio - a linha da vida de nossa existência. Estou pronta para ir em qualquer lugar e falar sobre seus benefícios - basta me fornecer um livro para que eu possa lembrar das proporções exatas dos ingredientes do fertilizante orgânico. Eu não quero ser responsável por explodir melancias!

Tara segurando uma tartaruga recém-nascida a ser liberada no rio. © WWF-Índia

Leia mais sobre o trabalho da WWF no Ganges.

 

Water Stories

American photographer Mustafah Abdulaziz presents images from an ongoing study of the global water crisis

Find out more